sábado, 9 de abril de 2011

Na Camada du Ozôniu





Oi nóis di novo cum a força du povo, besterinha né? Aconteci qui nóis é muito simprão. Falá nisso, Cumpadi Irineu anda meio sismado com o tar di efeito istufa qui isturdia tava mi perguntanu si ieu tava sabeno qui as mudança crimática tamém arterava o sensu di humor du ser humanu. Óia   si artera ieu num sei, mais tem genti que é tão mar humorada quispanta inté gambá, se isso significa emiti carbono, intão artera a camada du ozônio.
Oceis tá lembradu daquela videnti lá di Santumé a Mãe Doninha? Puis é, tivemo dando uma visitinha, ieu mais Cumpadi Irineu, só pra sabê cumé qui tava a nossa sorti, oceis sabi, vai chegano o fim du ano a gente já qué sabê comu vai se o otro, né?  Prestenção na prosa que tivemu cum ela, vô iscrevê tudim “ipisislitre”, como diz Cumpadi Chico, um intelectuar amigo nosso:  Sátiro: “ Intão, minha sinhora, comué qui anda as coisa?” Mãe Doninha: “Iiii, lá vem vocês de novo, as coisas por aqui não andam, quando muito elas flutuam, tá entendendo?”Cumpadi Irineu oiô mei dilado, comu quem num tá entendeno nadica daquele palavrório e falô: “Ieu sei bem duquê a senhora ta falandu, é aquela istória de discu voadô di novo?” . “É isso mesmo, teve por aqui uma tal de ETermara, uma mulher muito bonita que diz ser alienígena e anda prevendo o futuro de todo mundo, então vocês já perceberam que perdi muitos clientes, né”. Sátiro: “Mais a sinhora num podia ter previstu isso?”. Cumpadi Irineu arrematô a pergunta: “Craro qui podia né? O qui faiô intão?”. “Vocês são muito sabidinhos, né? Eu nem previ que vocês iam chegar em São Tomé  pra me azucrinar a vida, depois que vocês estiveram aqui da primeira vez tudo começou  a andar para trás...”. Cumpadi Irineu oiô pra mim e tascô essa: “A sinhora vai nos descurpá, mais o probrema é qui a sinhora é muito mar humorada, e isso espanta quarqué um né, talveis si a sinhora fizessi uma parceria cum a ETermara, uma vê as vidência aqui du praneta  i a otra vê as duotro praneta”. Confesso proceis qui a idéia du Cumpadi Irineu inté qui num era das pió, a Mãe Doninha franziu a testa, resmugô lá côs santu dela e falô cum riso meistranho nu cantu da boca: “ Sabe que vocês caipiras são bem espertos, vou pensar nessa idéia do Irineu e marcar uma conversa com a ETermara, quem sabe vocês que conhecem ela dão um jeito de marcar esse encontro?”.  Taí, saimu lá di Santumé encarregadu di marca um encontro da ETermara cum a Mãe Doninha, agora é esperá pra vê no qui vai dá essa prosa du Cumpadi Irineu. Ieu da minha parti, confesproceis, qui inté tô curioso cum essa istória. Ce Oceis tivé tamém é só aguardá.
         Falá em aguardá, mi contaro qui dois caipiras qui nem nóis tavam proseando e aí um deis priguntô pro otro:
- Cumpádi, quê qui ocê acha desse negóço di NUDEIS?
O otro bem rapidinho arrespondeu:
- Achu bão, sô!
O otro fico mei anssim, pensativo, oiô pro arto e priguntô di novo:
- Ocê acha bão purcausdiquê, cumpadi?
O outro, respirô, tirô o paieru da boca, deu uma cuspida nu chão e dissi:
- Uai! É mió NUDEIS que NU NOSSO, né não?
         Tô aqui espreitanu as página da vida e pensano nu que dissi aquele filósfo Sócrate “ Ieu só sei qui nada sei”. Nóis aqui na roça as veis sabi arguma coisa, otras não. Cumpadi Irineu ta certu quandu si preocupa cum o efeitu istufa, uai! Afinar nóis só tamu aqui di passage nu praneta, intão nóis tem mais é qui cuidá deli, pará di polui tudu por onde passamo, num é memo? Tava ovindo uma musca do Pedro bento i Zé da Estrada, num sei si oceis conheci, e fiquei meio sardoso. Tempu bão aqueli qui us pássaro cantava na janela da casa bem di manhanzinha. Oceis percebeu? Nóis aqui tamém é ecologista.
         Pra sai do sério, vô conta um causo qui mi contarô, si oceis gostá é só ri e pronto.  Cumpadi Josinu, um caipira dusbão lá das banda dus Martins, foi passá uns dia  em Belzonte. Nem bem o danado chegô nu hoter  já ficô admiradu cum o elevadô, e numa di querê intendê quar a serventia daquela porta cum tanta luzinha foi ficano por ali, inté qui uma sinhora bem véinha e acabadinha, como se diz lá pras banda de Cariaçú, entrô no elevadô, a porta si fechô i ela desapareceu. Cumpadi Josinu ali oiando, e a porta si abriu di novu e eli deu di cara com uma muié bunita quinem a Gisele Buchen !!! Mais surpreso qui cabocro qui pensa qui vai só sorta um pum, Cumpadi Josinu meio esbaforidu gritô: “Joaozinho, vá correndu chamá tua mãe meu fio!!”  Depois dessa só aquela du gaúcho qui chego nu bar do Vitinho, pediu uma pinga e disse todo posudu pro caipira minero: “ Lá na minha terra só tem macho, tchê!” Intão o mineirim coçô a cabeça i respondeu bem di mansinho: “  Puis aqui  prás banda da minha terra é metadi machu i metadi fêmea, é nóis inté qui acha muitu bão, sô!”.
Ce oceis gostarô num sei, ieu já tô gostano muito, manda um emeio pá nóis ou pô feicibuque, quieu tô ino ali comê um pão cum lingüiça i tomá uma pincumtorresmo, ocê já exprimentô, inda naum? Ô coitadu! Cumpadre Irineu dissi que mió quisso é só a traíra du Cumpadi Raú, lá pras banda di Treis Ponta. Larga meu pé, canabrava ! Sô brasileiro, uai!  Nóis votô manóis xinga.  Tempocabô! 

2 comentários:

Malu disse...

Os causu desse dois cumpadi são bão dimai e de simprão eles nun tem nada...
Quanto ao mau humor... bem arguém tem que se sacrificado... que seja os crimas do praneta...
Abraços amigo.
Virei freguesa

Luiz Mello e Banda Essa é Véia disse...

oh cumpadi quiria pidi pro cê falá uma hora nu teu brógui, dus carçudo e das carçuda qui usa a água da manguêra di vassora na carçáda, ieu ficu uma merda di vê issu. abraço do ET