sábado, 30 de abril de 2011

Pão di Quejo cum Cardicana



1. Bem Minero 

 “Quem mi ensinô a nadá, quem mi ensino a nadá, foi foi marinhero, foi  os pexinho du mar...” Oceis lembra dessa cantiga? Tempo bão, sô. Num sei si oceis concorda, mais sê caipira é um estadu di esprito, inté quem diz qui num é caipira tem seu pezim, sua raís,  ali  na berinha da tuia. Alinhais, o caipira, mais a linguaje deli e os costume, faiz parti da nossa curtura. Qué sabê? Tem caipira pra tudu quantu é banda, é paulista, paranaensi, gaúcho, goianu, catarinensi, gora contá uma coisproceis o mais famosu, mais mió di bom mesmu, é o caipira di Minas, o tar do comiquietu, eita caipira danadu, ladino qui só eli, sô! Prestenção nesse causo pô cê vê: Disqui o caipira tava precisado duns trocadu e arresorveu procurá o Banco lá pras banda di Muzambinho. Cheganu lá, procuro o gerente, qui, alinhais eli já conhecia, mais mesmu anssim eli priguntô: “Possu falá cum senhô, um cadiquinho?”, “ Ao seu dispor, sente-se e fique a vontade”, arrespondeu o gerente. Sem sentá o caipira falô: “si o senhô num si incomodá, ieu quiria qui a genti proseassi ali nu fundo”. O gerente num intendeu nadica di nada, intão priguntô: “ Mas porque não pode ser aqui?”. Aí o caipira muitu rapidinho falô: “ sabi purcausdiquê? Ói pô cê vê, é quieu tô precisadu dum impréstiminho e mi dissero qui o sinhô,  apesá di se meiu tranbiquero, lá nu fuunndu é uma boa pessoa ...”.  Ocê tá rindu di que? Disqui ri é o meió remédio, gargaiá intão, cura inté causo di amor traídu ou quexo caídu, qui num é inguar, mais dá na mesma, né. 
2. Bão Tamém
Cumpadi Irineu tava mi contano qui o Marirdo, um cabocro afiadu lá di Cristina, incontrô uma lâmpaincantada di onde disqui saiu um gênio caipira qui foi logo dizendu: “ Ocê tem treis pedido pá fazê”. E o Marirdo, meio qui no tranco, foi logo pedindo: “Uai, primero quero um pão di queju, adispois quero otro pão di queju e por úrtimo quero uma muié bem bunita”.  O gênio meio qui cismadu priguntô pro Marirdo: “Uai sô, purque ocê pidiu dois pão di queju  e uma muié?” E o Marirdo meiu qui sem sabê o quê dizê, descascô essa: “ Ora, fiquei cum vergonha de pedi otro pão di queju, uai!!!”. 

3. Querdite Se Quisé 

Num sei se oceis sabe, mainum é só genti da roça qui aquerditá nas porpaganda da trevisão. Ói pô cê vê o qui aconteceu com um tar di André. Prestensão na carta, inté qui bem escrivinhada,  que o mocorongo mandô  pruma fábrica  di desdoranti: “Ói, tenho 18 anos e tenho problemas com as mulheres. Tinha esperança de que usando o Axe, as mulheres viriam atrás de mim como nos comerciais, mas  já passei o desodorante por todo o corpo e assim mesmo elas continuam fugindo de mim. Como devo usar o produto para que as mulheres venham atrás de mim?”. Depois di ouvi o causo Cumpadi Irineu saiu-se com essa pérola da sabidoria caipira: “ Essi caipora deve fedê mais que gambá”.
Ói pô cê vê, o temcabô!!! Vê se ri um cadiquinho...
Nóis já vortá!
 


 

2 comentários:

BRÓGUI DU SÁTIRO - PROSA CAIPIRA disse...

tá fartando tempo, né!

Luiz Mello e Banda Essa é Véia disse...

óia cumpadi manda u fidido usá dosdoranti da claude bergere, ieu tenhu um tio caminhonero qui usa inté nu pé! rsrs. abraço do ET de Vga